A Céu Aberto

Tropa d’elite

Avanç”a caveira favela dentro
Armada até aos dentes
Um esquadrão, o sofrimento
Por sua missão, indiferentes
É uma guerra total
Implacável, sem quartel
Urbana e marginal
Vista dum quarto d’hotel
Ali ao lado, Copacabana
O Leblon, ou São Conrado
Que o Vidigal, “profana”
Como um exemplo tomado
O Estado contr’o tráfico
Na corrupção embutida
Nessa doença, o trágico
Sustenta-se em cada vida
Tomadas por dispensáveis
Nessas terras de ninguém
Os rostos são miseráveis
Só o tráfico, os torna alguém!
Por isso a guerra é surda
Sem paragens ou armistícios
Só o BOPE, contém a turba
E por sua investida, suplícios!
Uma corporação cerrada
Tropa d’elite, sem reparo
A honra é a sua empreitada
A sua técnica, o disparo!
Uma centena e meia d’homens
Numa cidade de milhões
De negros, os seus uniformes
A caveira, suas mil razões!
E não há prisioneiros de guerra
A tortura é um lugar comum
O cenário é a beleza na terra
A morte, o destino d’algum!
Negro, por certo, mulato
Qu’o branco é da classe média
No morro, o destino é transacto
E há qu’erradicar a miséria!
Por isso, o braço-armado-da-lei
Visa proteger o cidadão
Aquele que consome, por cem
Pagando a droga, em dação!
Investem na guerra em dois sentidos
Comprando armas pros dois lados
E nisto, se sentem protegidos
Deixand’os dois bem preparados!
A guerra não chega à zona nobre
A elite goza o seu bom conforto
Os alvos estão na zona norte
E a guerra é noutro país, absorto
Por isso só uma tropa d’elite
Pode lidar com esta realidade
A prova de quem resiste
À corrupção, na maravilhosa cidade!
Pois, o dinheiro do tráfico
Serve a tod’as latitudes
A morte, é o saneamento básico
Que limpa todas estas virtudes!
E para o trabalho sujo
Está lá o homem da caveira
De traje negro, pelo uso
Vermelho, de tanta trabalheira!
Elite, só a elite avança
Onde nem o Estado ousa avançar
O BOPE, não é só matança
Também lhe compete limpar!
A sociedade desses marginais
Criados na separação
A vida tem os seus iguais
O resto, é parte da multidão!…
image
Anúncios
This entry was published on 30 de Julho de 2013 at 21:58. It’s filed under Livros, Poesia, Retratos and tagged , , , , , . Bookmark the permalink. Follow any comments here with the RSS feed for this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: