A Céu Aberto

Federico

Calada a sua voz
Nesse disparo covarde
Esvai-se algo em nós
Pelo poeta que parte

Antoñito, el camborio
Versão de outra morte
Serviu-te por teu velório
Jogado na mesma sorte

O assassino embuçado
Na sentença decretada
Desse poeta invejado
Por sua poesia aclamada

E um pequeno ditador
Trajado de General
Faz-se Franco (atirador)
Pr’a combater esse “mal”

E nist’o país republicano
Sucumbe ao “Nacionalismo”
Fuzila-se esse “hermano”
No exemplo e simbolismo

E perto do Gualdalquivir
No dia 17 de Agosto
Lorca trata de sucumbir
À força do seu oposto

Morre consig’a liberdade
O génio, a poesia
Vive a eterna saudade
Nos campos d’Andalusia

image

Anúncios
This entry was published on 17 de Agosto de 2013 at 23:52. It’s filed under Poesia and tagged , , , . Bookmark the permalink. Follow any comments here with the RSS feed for this post.

One thought on “Federico

  1. Pingback: Federico | Política(?) Sindicante

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: